Ocorreu um erro neste dispositivo

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Hipoacúsia

Chegaram finalmente os resultados dos exames auditivos que o David foi fazer ao Hospital D.Estefania no principio do ano. O resultado foi o seguinte: exame normal à direita, exame sugestivo de hipoacúsia ligeira esquerda.
E perguntámo-nos nós o que era isto da hipoacúsia? Pelo que pude investigar a hipoacúsia é o mesmo que perda auditiva.
Há vários tipos de hipoacúsia, pode ser transmissiva, quando afecta a transmissão mecânica do som, as pessoas passam a ouvir tudo numa frequência baixa incluindo elas próprias, passando por isso mesmo a falar num volume muito alto, mas este não é o caso do David. Pode ser ainda neurosensorial, em que há uma perda de capacidade de transformação das vibrações sonoras em impulsos nervosos, fazendo com que as pessoas não percebam o que lhes é dito. Pode ser mista quando há lesões no ouvido médio e interno somando ambas as perdas. A hipoacúsia pode ser também central, situada no cérebro, ou seja, os sons enviados pelo ouvido chegam ao cérebro mas não são interpretados correctamente.
As várias causas para a hipoacúsia podem ser a idade, mutação genética, ruído, otosclerose, fármacos, alcool, tabaco ou infecções, principalmente otites.
Acufenos- Ruídos, sons ou silvos incomodativos que uma pessoa ouve quando tem este problema. Os acufenos criam graves dificuldades de comunicação porque impedem a audição normal das palavras e do som ambiente.
Talvez isto explique alguns problemas que o David tem ou tinha pois tem vindo a melhorar com o tempo, a dificuldade em estar junto de outras crianças e ouvi-las falar, chorar ou gritar, o David ficava demasiado incomodado, as pessoas com hipoacúsia têm dificuldade em entender as crianças porque têm uma voz mais aguda e torna-se incomodativa. Por outro lado explica os problemas que o David tinha com certos ruídos, pois a hipoacúsia causa uma maior amplificação dos ruídos de baixa frequência tais como eletrodomésticos, tráfego, máquinas a trabalhar, provocando incomodo. Talves fosse por isso também que o David não tolerava o mocho que de vez em quando andava por aqui... No entanto a tolerância do David tem vindo a melhorar nestes últimos tempos por isso não acredito que me deva preocupar muito com isto, de qualquer forma vou voltar a procurar um otorrino para me esclarecer melhor sobre o assunto e se há alguma coisa a ser feita. Quanto à epilepsia, pois continuamos na mesma como a lesma...

3 comentários:

  1. PELO MENOS O PROBLEMA TEM UM NOME..MESMO QUE SEJA ESTRANHO...É ASSIM ,QUANDO SE TRATA DA SAÚDE É TUDO MUITO DEVAGAR...POR MAIS QUE UMA PESSOA QUEIRA RESOLVER A SUA VIDA E ALIVIAR O SOFRIMENTO DE UMA CRIANÇA...É TUDO MUITO LENTO...

    MUITO OBRIGADA PELO PRÉMIO...FOI UM PRAZER RECEBÊ-LO ...
    GOSTAVA DE VIR CÁ MAIS VEZES MAS...NEM SEMPRE É POSSÍVEL

    BEIJINHOS PARA PARA TI E PARA O DAVID

    ResponderEliminar
  2. É tudo muito complicado Conceição, mas por vezes as coisas viram e os medicamentos fazem efeito, numa mudança de idade, tenhamos eperança.
    Até lá precisamos ter força, muita força oh como eu entendo.
    Vou tentar vir com mais regularidade amiga.
    Entretanto muitos beijos para si porque mãe sofre....para ele milhões de sorrisos silenciosos, mas coloridos, como balões que voam pelo ar junto às estrelas.

    ResponderEliminar
  3. Coitadinho do David, os acufenos são muito desagradáveis. Oxalá se consegue encontrar alguma coisa para abafá-los e para tratar de vez a sua epilepsia. Não desesperas, querida Conceição, hoje falando da minha epilepsia (estou em redução dos medicamentos e estou no mínimo dos mínimos)com uma senhora cujo filho teve também crise de epilepsia, ela disse que teve dos 8 meses até aos 3 ou 4 anos e que parou.
    Nas mudanças de idade, acontecem às vezes mudanças do nosso corpo.
    Beijinhos
    Verdinha

    ResponderEliminar